Páginas

Pesquisar este blog

quinta-feira, 2 de junho de 2016

RESENHA - Onze(Mark Watson)

O meu exemplar, publicado no Brasil
pela Rai Editora
Um livro tímido até na capa, mas uma história arrebatadora e de palpitar o coração. Onze, de Mark Watson, (até então passando despercebido em minha estante), deu-me uma boa lição de como não julgar um livro pelo seu título.


Xavier e Murray são dois apresentadores de um show da madrugada londrino que acalenta os sonâmbulos ingleses em suas noites em claro. Aparentemente próximos um do outro, descobrem-se verdadeiros conselheiros nos mais diversos aspectos, desde ouvintes com problemas amorosos até alguns à beira de um colapso nervoso, dispostos a dar um ponto final à suas vidas.


É um trabalho difícil, pelo peso que o show acabou ganhando em sua audiência fiel, e a responsabilidade que caiu nas costas de Xavier por vezes o deixa em dúvida quanto à sua real importância na vida de todas as pessoas que ligam para ele, rostos que ele nunca viu, vozes por vezes inéditas, em outras, regulares e desesperadas. Há, de certo modo, uma forma de afetar a vida do próximo, indiretamente, através de seus atos cotidianos? Estamos todos conectados por uma imensa teia de acontecimentos?



“Onze”, de Mark Watson, responde esta pergunta com sabedoria. Nosso protagonista, Xavier, em certa noite, não se atém a uma briga de rua que está acontecendo. O garoto, Julius, está tombado no chão e alguns garotos disparam ofensas, socos e pontapés. Xavier hesita, não sabe se deve interferir naquele evento corriqueiro. “Um dos garotos finge que vai atacar, dando quatro ou cinco passos rápidos com o punho estendido. Xavier se encolhe e todos os outros riem. Ele já perdeu a paciência com essa situação e quer arranjar um jeito de sair dela. Tem mais de trinta, e esses meninos têm menos da metade da sua idade. Mesmo assim, ele pensa, irritado, “tenho medo deles”.”


A decisão de deixar o garoto à sua própria sorte em nada interfere na vida simples e pacata que Xavier leva, trocando as noites de sono pelo trabalho no show e os dias pelo hobbie excêntrico como jogador de Scrabble. Contudo, Mark Watson nos mostra uma cadeia de acontecimentos em efeito-dominó gerada naquela fatídica e fria noite londrina. Mostra que cada uma daquelas pessoas na metrópole inglesa parece estar conectada pelo mesmo fio, que a cada nova vibração faz aumentar os atingidos por aquele primeiro evento praticamente ignorado por Xavier.


Ao final, onze pessoas são as vítimas daquele ciclo, como as peças de um dominó atingidas uma-a-uma, e têm suas vidas mudadas drasticamente.


Capa Original do livro
“Julius Brown perdeu seu emprego de meio período porque Andrew Ryan se embebedou e perdeu o controle, porque Jacqueline Carstairs escreveu uma crítica cruel do restaurante, porque o filho dela foi espancado num dia de neve algumas semanas atrás, porque Xavier fracassou em sua tentativa de interferir e ajudar. Mas como Julius ou qualquer outro sabe, ele só foi despedido por deixar um prato cair no chão.”


O livro é uma verdadeira lição de moral, a partir do momento que nos faz refletir em como todas as nossas ações podem e devem interferir nas vidas de todos os outros à nossa volta, principalmente aqueles nos quais, um sorriso mal-dado, ou uma ajuda negada, pode ser o gatilho para uma mudança radical na forma como eles veem o mundo. É interessante pensar que uma simples palavra proferida pode tocar nos ouvidos alheios e reverberar por dias e meses na cidade até que gere uma catástrofe.


É o efeito borboleta, meus caros.


Watson é um comediante britânico, porém seu livro passa longe das piadas e do humor que ele traz em seus shows. A vida de Xavier, da maneira como nos é passada, parece um filme preto em branco, com um clima noir típico de um romance policial. Até mesmo uma golada de café, tomada numa caneca amarelada em que se lê MANDACHUVA se assemelha com nossa vida cotidiana neste livro. Deve ser por isso, pela proximidade com nossa vivência diária e com as atitudes que tomamos na vida em sociedade, que encontrei diversas pessoas que conheço entre as páginas de papel pólen.


Assustadoramente percebo que aquilo que digo, escrevo, divulgo, ouço e esqueço pode ser o final, ou então o início de uma cadeia de acontecimentos global, que um dia pode virar-se contra mim.


Assim como virou-se contra Xavier Ireland.


DADOS DA OBRA(SKOOB)

ISBN-13: 9788563672896
ISBN-10: 8563672894
Ano: 2011 / Páginas: 248
Idioma: português
Editora: Rai Editora
Título: Onze
Autor: Mark Watson(foto)