Páginas

Pesquisar este blog

sexta-feira, 3 de maio de 2013

E tragicamente aconteceu... (O fim)

     Passaram-se os meses do intercâmbio e durante esse tempo, Emma e Andrew construíram uma amizade muito forte.
    Assim que chegou o dia de Andrew embarcar de volta para o Brasil, ambos sabiam que enfrentariam uma difícil separação e que provavelmente jamais se veriam de novo. Chegaram no aeroporto faltando pouco tempo para o embarque, tiveram tempo apenas para um longo abraço. Uma lágrima escapou do rosto de Emma, ele logo a secou com o polegar. "Vai ser difícil minha pequena, mas temos que seguir com as nossas vidas." dissera ele. Se abraçaram novamente. "Se você quiser, eu largo tudo. Tudo mesmo. É só pedir" confessou ele, baixinho. Ela ficou desnorteada, não sabia se era verdade o que tinha acabado de ouvir. Perdida em seus pensamentos, ela nem notava que ele aguardava uma resposta. Vendo que não obteria resposta alguma, deu ás costas e dirigiu-se ao portão de embarque.
     Estava prestes a embarcar, quando escutou um grito abafado. Era ela chamando por seu nome. Seu rosto se tornou mais vívido, os olhos se iluminaram, um largo sorriso apareceu. Ainda tinha esperanças de que ela o quisesse de volta. Virou-se para ela, e viu uma menina insegura, perdida, desesperada. Teve um momento de compaixão e olhou para ela, suspirando. 
     Não tiveram tempo para pensar em nada. Não lhes passou pela cabeça que estavam em um lugar público. Eram apenas eles, em um mundo privado. A razão não existia mais. Emma correu, jogou-se contra ele em um abraço. Ele não se importou com o intenso impacto. Sentiu a pele gélida e trêmula dela, e a apertou forte contra o peito. "Fica! Por Favor! Fica! Eu fico aqui também! Mas por favor, não me abandone..." disse ela, desesperada. Ele a afastou, segurou seu rosto entre as mãos e olhou em seus olhos ardentes pelo calor do momento, e respondeu "Claro que sim meu amor". Ele a beijou docemente. Nunca estiveram tão felizes. Aplausos surgiram  em meio a multidão que havia parado para assistir a cena de amor jovial. Saíram, ambos sorridentes, de mãos dadas do aeroporto.
     Viveram um romance puro. Há quem diria que eram almas gêmeas, uma só alma em dois corpos. O amor transparecia e influenciava a todos que estavam em um mesmo ambiente que eles. Todos se tornavam alvos de um sentimento verdadeiro e explícito.
      Construíram uma vida nova, deixando a antiga para trás. Não se arrependiam dessa escolha. Andrew não queria apenas um romance. Quando completaram três anos de namoro, ele preparou uma surpresa para ela. Durante meses ele havia economizado centavo por centavo, e  conseguiu pagar a passagem de toda a sua família e da sua sogra. Uma festa estava sendo minuciosamente preparada para pedir ela em casamento. 
     Ele a levou para o cinema para comemorar o dia, enquanto a festa surpresa estava sendo montada. Era a estreia de um filme de super-heroi, a sessão estava lotada. Pouco tempo antes do filme acabar, deu uma desculpa à ela dizendo que precisava ir ao banheiro, quando na verdade ele queria ligar para sua sogra para saber se já estava tudo preparado. 
     E tragicamente aconteceu. Foi uma cena muito rápida. Ela já estava do lado de fora, com o celular no ouvido. Dentro da sala escura, um rapaz desconhecido se levantou e sacou duas armas. Emma foi a primeira a ser atingida, morrendo ali mesmo, na mesma hora, com um tiro certeiro no coração. No mesmo atentado, onze pessoas também faleceram, e outras cinquenta e nove se feriram. Do outro lado da linha, os convidados da festa escutaram o momento de terror vivido por eles e pelos outros expectadores.
     Andrew também falecera. O inusitado era que o casal faleceu exatamente no mesmo instante, ela com uma bala no coração que sujou todo o seu traje, já ele também estava inundado pelo sangue que havia jorrado, mas em seu coração havia um espaço vazio no mesmo lugar onde havia uma bala alojada no órgão de sua amada. Eram de fato almas gêmeas, disso ninguém duvida mais. Ele não havia sido baleado e morreu na mesma circunstância de seu amor. Que outra razão teria? 


*Esse conto foi baseado no ataque do dia 20 de julho de 2012, em Denver no estado do Colorado (EUA).

("Jéssica Stewart")