Páginas

Pesquisar este blog

sexta-feira, 1 de abril de 2016

RESENHA - Caixa de Pássaros(Josh Malerman)




“Malorie está na cozinha, pensando. 
Tem as mãos úmidas. Treme. Bate o pé, nervosa, no piso de azulejos rachados. É cedo. O sol ainda deve estar surgindo no horizonte. Ela observa a luz parca clarear as pesadas cortinas pretas e pensa:
Isso foi a neblina.’’



E assim começa Caixa de Pássaros, o tenebroso e intrigante livro de Josh Malerman. Inicialmente, nada se sabe sobre o que se passa dentro e fora da casa, mas para quem lê a sinopse ao final do livro, certamente torna-se interessante prestar atenção aos detalhes. A casa onde Malorie e duas crianças estão está envolta na penumbra e a única luz é proveniente de uma vela. Há manchas por todo o lado, que inicialmente suspeito ser sangue. Há indícios, logo, que algo muito ruim aconteceu por ali. “No segundo andar, perto da escada do sótão, uma pilha de casacos mofados camufla riscos roxos entranhados no pé da parede. Três metros à frente fica a mancha mais escura da casa. Malorie não usa aquela parte na extremidade do segundo andar porque não consegue passar por ali.” Há certamente uma tragédia envolvendo Malorie e sua família, que a deixa anestesiada de medo. 





“Um dia, esta já foi uma bela casa em um belo bairro dos arredores de Detroit. […] Mas, nesta manhã, as janelas estão tapadas com papelão e tábuas de madeira.” Agora sim. A confirmação de que a casa está isolada do mundo lá fora e que temos algo tenebroso envolvendo Malorie. Minha primeira hipótese: Briga de família. O que me leva a pensar isto? O ‘sangue’ está dentro da casa, por todos os lados, e em um ambiente específico coberto por casacos(que Malorie possivelmente colocou para TENTAR esquecer o que ocorreu, visto que ela também poderia estar observando a tudo).




“Não há quadros nas paredes. Fios passam por baixo da porta dos fundos e chegam até os quartos do primeiro andar, onde amplificadores alertam Malorie e as crianças para qualquer barulho que venha de fora da casa. Os três vivem assim. Ficam bastante tempo sem sair. E, quando saem, estão vendados.” Inicialmente, recusei-me a pensar em algo para lá de fantástico acontecendo, porém, o motivo de saírem vendados é um mistério que me perseguiu por todo o livro. Não sabia o porquê de Malorie e as crianças ficarem bastante tempo sem sair, nem menos porque têm de ficar vendadas do lado de fora da casa. 




Será algo que não querem ver? Ou será algo que não podem ver?




“Os pássaros nas árvores estão inquietos. Parece que milhares de galhos estão balançando ao mesmo tempo. Como se houvesse um vento perigoso lá em cima. Mas Malorie não o sente ali embaixo, no rio. Não. Não há vento. [...] Ela pensa na casa. Na última noite que passou com os outros moradores, todos juntos. O vento batia forte nas janelas. Havia uma tempestade chegando. Bem forte. Talvez os pássaros nas árvores saibam. Ou talvez saibam de alguma outra coisa.” As criaturas parecem invadir a mente de Malorie de tal forma que a deixam excessivamente estressada, à beira de um colapso.




“Parece que há pássaros demais e árvores de menos.



É como se ocupassem o céu inteiro.



Eles parecem loucos. Eles parecem loucos. Ai, meu Deus, eles parecem loucos.



[...]



A canção comunal dos pássaros aumenta e chega ao auge antes de baixar de tom, contorcer-se e ultrapassar os limites. Malorie a ouve como se estivesse dentro dela. Como se estivesse presa em um aviário com milhares de pássaros malucos. Parece que uma gaiola se fechou com todos eles dentro. Uma caixa de papelão. Uma caixa de pássaros. Bloqueando o sol para sempre.



O que é isso? O que é isso? O que é isso?” 




Que diabos está acontecendo? O mundo está desabando sobre a mente de Malorie? Será tudo isso uma loucura de sua mente ou Tudo não passou de paranoia? Estas perguntas nos perseguem ao longo de toda a trama e deixam-nos bastante presos à história, transformando-a em um fantástico thriller.




Caixa de Pássaros é certamente uma obra prima da literatura "fantástica" contemporânea. Pretendo certamente ler mais livros de Josh Malerman, porque adorei a forma de narração que ele desenvolve. Conseguiu construir personagens fortes e emotivos, convencendo-me daquilo que ele queria propor. Com “Caixa de Pássaros”, tive medo, apreensão e muitas doses de coração acelerado. Uma ótima leitura para quem aprecia a boa literatura. A trama é muito bem conduzida, feita com atenção e cuidado aos detalhes. Em um mundo que praticamente se passa no escuro, a precisão das descrições é inegável, literalmente submergindo o leitor da falta de visão de Malorie. Uma leitura diferente de tudo que já havia lido, e certamente uma das melhores também.



Super recomendo!



por André Luiz



DADOS DO LIVRO(SKOOB)




Caixa de Pássaros

Não Abra os Olhos


ISBN-13: 9788580576528
ISBN-10: 8580576520
Ano: 2015 / Páginas: 272
Idioma: português
Editora: Intrínseca
Autor: Josh Malerman(foto)