Páginas

Pesquisar este blog

quinta-feira, 31 de julho de 2014

Libertação





Isa era apenas mais uma pessoa. Era jovem, mas não se comportava como tal. Estava alheia a tudo que acontecia a seu redor, não por opção, mas por ser considerada um estorvo a todos. Queria ser aceita, importante, ao menos para alguém. Buscava ser sempre uma pessoa diferente para agradar quem estava ao seu redor. Seus esforços eram em vão.
Seu frágil coração já não aguentava tanta traição, egoísmo, falta de caráter; decidiu correr atrás das coisas boas da vida, já que acreditava com fervor que elas poderiam existir. Consideravam-na, por isso, como uma tola e aos poucos passou a se tornar invisível. Gradativamente, a menina antes feliz e radiante se viu afundando em uma tristeza densa, que a sugava sempre mais. Não havia como lutar contra aquele sentimento.
Assim foi levando sua vida, como se sua presença se tornasse um fardo cada vez maior às pessoas. Não a todos, vamos deixar isso bem claro, uma vez que possuía utilidade na vida de alguns que a usavam e deixavam quando não tinha mais serventia. Era mais um objeto, como um lápis, uma caneta ou até mesmo um travesseiro.
Não possuía ambições, queria viver um dia de cada vez. O amor não fazia parte de seu dicionário, não podia se dar ao luxo de tê-lo. Como disseram certa vez, o amor é uma fraqueza. Sabia também que se caso um dia isso fosse acontecer, não seria correspondida. Afinal, quem teria coragem de amá-la?
Aos poucos foi perdendo sua identidade. Suas músicas não a pertenciam, seu estilo não a agradava. Tornou-se agressiva, amarga. Sentia-se em um mundo diferente e às vezes confidenciava isso a algumas pessoas que logo se aproveitavam da situação.
Via em seus livros, o ápice da felicidade. Sentia falta da época em que não era rejeitada, nem marginalizada. Buscava se encontrar com o passado nas obras de diferentes escritores. Era nesses preciosos momentos que se sentia livre, próxima de seu verdadeiro eu.
Zombavam, caçoavam... e por diversas vezes, ficara sozinha chorando, refletindo o quão é horrível viver.
O espelho era seu único inimigo. Não conseguia encarar suas provocações por muito tempo. Gorda, feia, com muitas espinhas, muitas olheiras... poucos sorrisos. A falta de lábios a perturbava, assim também era com os dentes que achava grandes demais. O cabelo, sempre rebelde, era escondido por um coque rápido, apressado... deixando a mostra seus braços roliços.
Sentia-se inútil e odiava quando conseguia abrir os olhos pela manhã. Era mais um dia cruel que teria que enfrentar.
Em uma noite, cansada, deu boa noite a seus pais, colocou sua irmã com afeto na cama e fez questão de pronunciar um “eu te amo” a todos. Rezou uma prece, não por si, mas para a humanidade. Antes de se deitar, foi até a lavanderia e fez uma mistura com ervas, produtos de limpeza e formicida. Degustou a sua libertação, que desceu amargo como sua vida, e deitou-se em sua cama. Jamais acordou.
(“Jéssica Stewart”)