Páginas

Pesquisar este blog

segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Recordações

     Mal eram seis horas e seu despertador soava. Sonolenta, pegou o celular e colocou uma música aleatoriamente a fim de espantar o sono. Sorriu. Era a música que ele gostava de cantar.
     Uma gota salobra pulou de seus olhos enquanto admirava uma foto deles. Ela, sorridente - como sempre -, agarrava-se ao pescoço dele, que provavelmente emitia um grito no momento capturado.
     A saudade a dominava, dominava, dominava... queria sentir o perfume dele, queria abraçá-lo, queria ao menos ver o tom bronzeado de sua pele. Outra gotícula percorreu o trajeto. Veria-o logo, dizia a sim mesma com convicção, que logo se esvaía e se transformava em lamento. Queria o bem, tranquilo e sereno, como sempre fora.
     Admirava-o, amava-o, não como as pessoas comuns. Sentia uma intensa conexão por ele e isso tornava possível o florescimento de sentimentos puros. Era seu melhor amigo, de fato, mas via-o como seu anjo, mandado à Terra para tornar seus dias coloridos.
     Guardou a foto, relutante, e se dispôs a trocar de roupa. A vida seguiria em frente e ela teria de lutar para acompanhá-la, com ele ou sem, mas sempre por ele.

("Jéssica Stewart")