Páginas

Pesquisar este blog

quinta-feira, 18 de agosto de 2016

MINICONTO - Velas

     Acabou acendendo as velas com o calor do cigarro. Não que quisesse fazer isso, mas não teve outra escolha senão as mãos congelariam de frio. Abraçou a luz e o calor confortante que vinha da vela e sentiu-se perto de sua mãe outra vez. Observou o ambiente ao seu redor, obscuro e imerso na penumbra, iluminado apenas pela fraca luz das velas espalhadas pelo chão. 
     Era a quinta vez nesta noite que o apagão tomava conta da casa. Pegou o cigarro e levantou-se da cadeira, batendo as mãos uma contra a outra e soprando-as com o bafo quente. A atmosfera tornara-se fria e macabra. Tateou o bolso em busca do celular, tentando contatar alguém conhecido que poderia estar nas redondezas. Encontrou apenas três moedas e um chiclete na metade.
     Não havia janelas no lugar, e o cheiro era de borracha queimada. Um esgar de nojo subiu por sua garganta e chegou a sua boca com gosto de bile. Nas sombras, não conseguia mensurar as dimensões da sala em que estava. 
     Aos poucos, a pupila dilatou-se tal qual um precipício, profundo e inesgotável de escuridão, e as formas ao seu redor tomaram vida. Eram centenas de milhares de pequenas criaturas, atreladas umas às outras, com os corpos redondos e roliços movendo-se lentamente como uma pluma no espelho de água. Pareciam carregadas por alguma espécie de correnteza, canalizando os movimentos para a região central do cômodo, onde o homem olhava a tudo, aterrorizado. 
     Subitamente, enxergou uma cômoda bem ao seu alcance. O brilho de seus olhos se alterou quando a pistola em cima da mesa. 
     A escuridão acabaria ali mesmo.